Serve-se um olhar mundano e libertino. Serve-se uma arrogância sonhadora e juvenil. Serve-se uma ironia coerente e um humor valorativo. Serve-se tradição e modernidade. Serve-se na condição humana, Brinda-se com a casmurrice pessoal!

04
Jan 08

Rimos e apreciamos jogadas com bola inventadas a regra e esquadro. Comentamos fintas de futebol. Deliramos com toques acrobáticos e desequilibradores dos fora-de-série que conhecemos e apreciamos dentro das quatro linhas futebolísticas. Chamamos-lhe “Arte”. A arte de criar jogadas impensáveis. A arte de inventar e reproduzir uma finta no terreno de jogo. A arte de, com um toque inesperado deixar o nosso adversário perplexo.

 

Mas porque é que só pensamos em “Arte” no futebol? Todo o desporto envolve um acto criativo, um domínio da técnica, um passar à prática daquilo que sonhamos e tentamos fazer.

 

Batemos palmas e aclamamos os génios da bola. Batemos palmas e aclamamos artistas de circo que, com esforço, trabalho e superação nos apresentam técnicas de movimento, de força e contenção do corpo humano. Porque não batemos tantas palmas ou não aclamamos tão facilmente um “artista” por exemplo do skate?

 

Senhoras e senhores, meninos e meninas, apresento-vos Rodney Mullen, para mim, um dos maiores “artistas” com a tábua debaixo dos pés!

 

Dificílimo exercício!


publicado por Casmurro às 20:10

Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Rodney Mullen

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO