Serve-se um olhar mundano e libertino. Serve-se uma arrogância sonhadora e juvenil. Serve-se uma ironia coerente e um humor valorativo. Serve-se tradição e modernidade. Serve-se na condição humana, Brinda-se com a casmurrice pessoal!

09
Jun 08

 

Reli no outro dia a conhecida obra de Franz Kafka cujo título este post partilha. É de facto uma pequena grande obra que com uma história simples aborda inúmeros temas sociais. Desde a degradação das relações humanas, à dignidade do trabalho, a questões familiares, ou ainda uma dicotomia bastante interessante entre realidade do que sentimos vs aquilo que os outros pensam que sentimos, entre muitas outras peculiaridades.

Fica mais uma vez a certeza de que um bom livro nos conduz e leva sempre para onde o autor e a sua obra querem, enquanto uma má simplesmente nos empurra.

 

Esta menção literária como prólogo, para vos introduzir uma pequena reflexão que me tem acompanhado ultimamente. O facto de nos metamorfosear-mos em inúmeras situações de vida. É uma realidade!

De facto, como canta Raul Seixas nesse clássico intemporal da música brasileira, gosto que a minha vida seja uma “metamorfose ambulante”, isto é, gosto de “não ter aquela velha opinião formada sobre tudo” ou “poder dizer o oposto do que eu disse antes”. Falsidade ou cinismo? Não! Passo a explicar.

Confesso-me uma pessoa de princípios, de valores, e com uma educação felizmente bastante rica a nível pessoal, emocional e intelectual. É normal porém, que goste de abalar e discutir todo esse conjunto hierárquico que me forma como pessoa, toda essa tradição que já é minha, para assim sair depois ainda mais fortalecido.

Toda esta teoria funciona também com opiniões e ideias de todo o cariz e cultura, a até mesmo com os nossos sentimentos!

Apercebo-me cada vez mais da capacidade humana de metamorfosear aquilo que sente, de o esconder ou retrair, principalmente se a realidade por detrás for complexa e complicada. É uma veracidade quotidiana desde os mais pequenos e insignificantes sentimentos, aos mais fortes e delicados de lidar.

 

Fica esta vontade sentida e casmurra de conseguir lutar por uma sinceridade de sentimentos nesta correria de vida diária de metamorfoses.

 

publicado por Casmurro às 17:59

Às vezes não podemos mostrar o que sentimos, o que qeremos. Como dizes porque a vida é complexa, porque vivemos em sociedade e como tal as nossas acções vão ter efeito sobre os outros! Ser sincera e honesta com os outros sim... mas também temos que nos saber "proteger"...
abelhinha a 30 de Junho de 2008 às 10:53

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO